Claudio Naranjo

Nascido no Chile, Dr. Naranjo estudou e trabalhou com Medicina, Psiquiatria e Antropologia Médica.

É reconhecido por seu saber no campo da Avaliação e Investigação da Personalidade.

O Dr. Claudio Naranjo (Valparaíso, Chile, 1932) vem desenvolvendo, há 40 anos, a sabedoria do Eneagrama, tendo criado a Psicologia dos Eneatipos. Como discípulo e sucessor de Fritz Perls, tornou-se referência mundial da Terapia Gestalt. Professor em Berkeley, Califórnia, é pioneiro da Psicologia Transpessoal e um integrador entre Psicoterapia e Espiritualidade.

Em sua jornada de vida recebeu ensinamentos de mestres como Swami Muktananda, Idris Shah, Oscar Ichazo, Suleyman Dede, S.S. el Karmapa XVI e Tarthang Tulku. Fruto desse amplo aprendizado, desenvolveu o Programa SAT, um processo de autoconhecimento pelo qual já passaram milhares de pessoas.

Desde o final dos anos 1990, tem participado de muitas conferências sobre Educação e procurado influenciar a transformação do sistema de ensino em muitos países, movido pela convicção de que nada é mais esperançoso em termos de evolução social que o cultivo da sabedoria individual, da compaixão e da liberdade.

Claudio Naranjo é um membro do Clube de Roma e Doutor Honoris Causa pela Universidade de Udine (Itália).

Para mais informações, visite o site do Dr. Claudio Naranjo e a página da Fundação Claudio Naranjo.

(Traduzido do website Fundação Claudio Naranjo)

No final dos anos 80, Dr. Naranjo reabriu o Programa SAT no mundo latino e começou a transmitir um enfoque psicoespiritual integrador, mantendo, até a atualidade, uma atitude permanente de investigação e aprofundamento da Psicologia dos Eneatipos. Sua vasta experiência clínica e, principalmente, a legitimidade de sua formação lhe permite uma significativa integração da sabedoria interna do Sufi, do yoga, do budismo tibetano, das tradições místicas judaico-cristãs e das tendências da psicologia moderna.

 


 Autobiografia de Dr. Claudio Naranjo

Eu nasci em 24 de novembro de 1932. Cresci em um ambiente musical, freqüentei  a escola em Valparaíso e, logo, em Santiago, onde me formei como Doutor em Medicina em 1959. Após um início precoce para o piano, estudei composição musical. Influências importantes deste tempo foram o poeta visionário e escultor chileno Totila Albert, poeta David Rosenman Taub e o político e filósofo Bogumil Jasinowski.

Depois que meu PhD fui contratado pela Universidade de Chile, Faculdade de Medicina, para formar parte  da equipe de um pioneiro nos estudos de Antropologia Médica (CEAM) fundado pelo Centro Franz Hoffman em 1960 ; enquanto eu praticava psiquiatria da Universidade Psychiatric Clinic.
Mais tarde, eu me mudei para Harvard como um visitante promissor, e eu dividi meu trabalho ali entre o Centro de Estudos da Personalidade e Emerson Hall, Departamento de Relações Sociais. Recebi um convite do Centro de Investigação em avaliação de personalidade e viajei para Berkeley, fiquei apaixonado pela vida lá e de que eu era capaz de entrar na atmosfera da contracultura. Um colega da Fundação Guggenheim me permitiu voltar a Berkeley depois de um ano na Universidade no meu país de origem, para continuar meus estudos.

Logo tive a chance de ficar amigo íntimo de Carlos Castañeda, aprendiz de Fritz Perls e fazer parte da incipiente comunidade de Esalen. Também participei  de oficinas de consciência sensorial com Charlotte Selver e fazia parte das reuniões do grupo de Leo Zeff, um pioneiro na terapia psicodélica; mais tarde contribuir, nos estudos sobre o uso de harmalina, MDA, e ibogaína.
Em 1967 voltei ao Chile. Foi o melhor momento da minha entrada em pesquisas em psicofarmacologia, como um parceiro com Shulgin e Sargent e no início de minhas explorações na terapia psicodélica individual e grupos de terapia psicodélica. Também nessa época eu viajei brevemente para participar de duas conferências pioneiras na Universidade da Califórnia: a Conferência de LSD em 1967 (onde apresentei minha pesquisa sobre psicoterapia assistida ibogaína) e uma conferência patrocinada pelo Instituto Karolinska, sob o título “Encomtrando Etnofarmacologia em Drogas Psicoativas “.

Depois de algum tempo trabalhando no Chile, voltei para Berkeley e eu estava lá como um dos três sucessores de Fritz Perls, juntamente com Jack Downing e Robert Hall quando emigrou para o Canadá. Eu também fiz viagens ocasionais para Los Angeles, onde visitei Jim Simkin e dele recebi  treinamento e supervisão adicional.
Em 1969, tive o privilégio de ser nomeado assessor do Centro de Políticas de Pesquisa Educacional, criado por Willis Harman em SRI. Fui designado para a pesquisa em torno da esfera de técnicas psicológicas e espirituais daquele momentoo, atualmente apliveis à educação, e meu relatório foi publicado como uma monografia intitulada “O desdobramento do Homem”. Mais tarde seria parte do meu primeiro livro, The One Quest. Neste tempo também  escrevi  algumas das minhas experiências em terapia Psicodelica (mais tarde publicado como The Journey Healer). Aceitei o convite do Dr. Robert Ornstein como co-autor de um livro de meditação, e outro da Dra. Ravenna Helson para aprofundar a análise qualitativa das diferenças expostas em obras que falam sobre fatores matriarcais e fatores patriarcais descoberto por ela no comenco das suas investigacões em de autores da pesquisa matemática e também obras de autores que escreveram ficção para crianças, que se cristalizaram em meu livro “ A Criança Divina e o Herói”.
A morte acidental de meu único filho na véspera da Páscoa 1970 pareceu colocar um ponto final a uma fase da minha vida. A próxima etapa começou com uma peregrinação sob a orientação de um mestre espiritual chamado Oscar Ichazo culminando em uma peregrinação dentro de uma peregrinação, um período de isolamento no deserto de Arica, no norte do Chile, que provou ser o verdadeiro início da minha experiência espiritual, a vida contemplativa e a viagem interior. Depois de deixar a Arica, no final de 1970 – depois de seis meses – eu comecei a ensinar um grupo que incluía minha mãe, antiguos alunos de Gestalt e alguns amigos, e este grupo chileno me deu a experiência e confiança para lançar meu trabalho posterior Berkeley em setembro de 1971. O grupo começou como uma improvisação e se tornou um programa que deu origem a uma organização sem fins lucrativos chamada Instituto SAT, onde me envolvi, especialmente como desenhador e supervisor de uma atividade implementada por minha estudantes e uma série de professores convidados: Zalman Schachter, Dhiravamsa, Ch’u fang Chu, Sri Harish Johari e Bob Hoffman. Em 1976, fui convidado como professor em Santa Cruz Campus da Universidade da Califórnia, e do Instituto de Estudos Asiáticos, Califórnia (agora CIIS). Comecei também a oferecer oficinas na Europa, refinando os aspectos do mosaico que compõe o programa SAT: Gestalt-terapia, aplicações do Eneagrama da personalidade, a meditação interpessoal e da música como recurso terapêutico e como uma extensão da meditação … Na companhia de novos colaboradores, transformemi  as partes em um todo, em 1987, quando o programa SAT renasceu na Espanha sob o nome de “SAT em Babia”. Desde então, o programa se espalhou para a Itália, Brasil, Argentina e México, com grande sucesso, dividindo minha agenda diária por muitos anos entre essas atividades no exterior e minha escrita, em casa, em Berkeley.
No final dos anos oitenta eu revi um livro do início da terapia Gestalt e publiquei dois novos; também publiquei três livros sobre o Eneagrama e outro sobre a “Agonia do patriarcado”, uma interpretação de problemas sociais como a expressão de uma desvalorização da natureza e instinto humano e de sua solução para o desenvolvimento harmonioso dos nossos “três cérebros” potenciais; também publiquei um novo livro sobre meditação; “The Way of Silence” e “The Talking Cure” e “Songs of Awakening”, uma interpretação dos grandes livros do oeste como expressões da viagem interior e variações na jornada do herói. Desde o final dos anos noventa eu assisti muitas conferências de Educação e procurei influenciar a transformação do sistema de ensino em vários países – com a convicção de que nada é mais esperançoso em termos de evolução social do que a fomentação coletiva da sabedoria indivíduo, compaixão e liberdade. Meu livro “Mudando Educação para Mudar o Mundo”, publicado em espanhol em 2004, se supõe, para estimular os esforços dos professores formados no Programa SAT que começan a estar envolvidos em um projeto de SAT-Educação, oferecido às escolas e alunos da Escola de Educação como “um plano para estudos suplementares” de autoconhecimento, reparação de relacionamentos e cultura espiritual.

 


Claudio Naranjo, figura central do movimento humanista, é um pioneiro da psicologia da Gestalt e da psicologia transpessoal era parte da primeira equipe do Instituto Esalen, Centro do qual se tornou um dos três sucessores de Fritz Perls, e fundou na Califórnia o  Instituto SAT, uma escola integradora de psicoterapia e das tradições espirituais do mapa caracterológico do Eneagrama.De seus livros destacamos clássicos títulos de psicoterapia e humanismo como “Gestalt sem fronteiras”,” Carater e Neurosis” e “A agonia do Patriarcado”.

 



O Programa SAT aplicado à educação

“Que a educação deixe de ser uma transferência de informações. Educação no sentido mais amplo da palavra é algo que tende a desenvolver às pessoas. Deve incluir fatores afetivos. Educar a pessoa tendo em conta que não é só o intelecto, mas corpo, emoção e espírito “.

 

“Para mudar a educação é necessário mudar os educadores; não tanto o currículo como a pessoa a fazê-lo. Agora fala-se de transversalidades: que enquanto a história ou matemática é ensinada estão sendo transmitidos certos valores. Isso é muito bom na teoria, mas que só pode fazer a pessoa que incorpora esses valores. “

 

“Venho aperfeicoando um método terapêutico que é muito econômico. Terapias  que são de 10 dias por ano durante 3 anos consecutivos. A idéia é visitar as principais universidades formadoras de professores e dar-lhes 10 dias por ano. “